Sobre textos e pensamentos religiosos

Caros leitores e seguidores do meu blog,

Em relação aos meus pensamentos e textos religiosos, quero que saibam que não estou impondo como verdade absoluta aquilo que sinto e acredito como correto. Cada pessoa tem sua experiência e seu sentimento com Deus.

sábado, 22 de novembro de 2008

Trocando idéias

Que momento difícil terminar uma noite com sensação de que algo se quebrou!
Indagamos e por causa disso nos classificam como mais uma dentre as pessoas que julgam mal. Jamais condene o franco!
Não sabemos interpretar ninguém, não sabemos enxergar as pessoas, muito pouco sabemos da vida e somos ferinos no que pensamos. Sabemos ferir a quem amamos, a quem respeitamos. Sabemos ser parentes do mal entendido.
Com o tempo, mais adiante entenderemos que não se pode conhecer ninguém a fundo.
Se você busca isso um dia, saiba que nunca terá, pois este poder não foi dado a ninguém.
São sempre diferentes modos e pensamentos, não se pode mensurar sentimentos, não se pode fazer pouco daquele que te ama, pois mesmo ao longe te anseia.
Podemos magoar porque também não podemos engolir nossas palavras. Certas pessoas não sabem o que dizem, e nem sempre sabemos conquistar alguém.
Fazemos perguntas sem retorno...
É dessa forma porque não devemos ser covardes, mas o mais importante é estarmos seguros de quem somos.
Existem pessoas lindamente verdadeiras, e queremos bem a elas sincera e honestamente. Mas tem gente que apenas imagina que queremos bem, friamente. Depois recolhem certezas...
Então, pessoas deixam de ser especiais. Porém, o melhor é que nunca assusta sentir a doçura que existe no recôndito do ser genuinamente desarmado e imune ao fel.
Podem às vezes as palavras ferirem, e para doer assim, não se sabe se o silêncio é melhor opção. E assim a gente segue a vida, tentando ser frio para sobreviver sem se envolver.
Quem duvidou de tua pureza, alma ferida?

2 comentários:

Liliana Seven disse...

" A cada dia que passa mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca e que, esquivando-se do sofrimento
perdemos também a felicidade...."

Carlos Drummond de Andrade

Rosa Púrpura disse...

Às vezes, deixamos de fazer ou dizer o que pretendíamos e com isso perdemos a espontaneidade, em detrimento de algo que consideramos mais prioritário - como a amizade e a boa convivência. Acontece, não raro, sermos incompreendidos e julgados por demonstrarmos pensamentos e atitudes contrárias. Vamos silenciando, nos manifestando com cautela - o que é uma pena - porque de superficialidade o mundo está cheio!